Primeira Igreja Batista de Araguaína

Você está aqui: Missões

Missões

Alerta à Nação Brasileira

E-mail Imprimir PDF
newsalerta

newsalerta


Um dos papeis da Igreja na sociedade é ser uma consciência profética capaz de ajudar a cada ser humano (entendido como um indivíduo livre e competente diante de Deus e dos homens, vivendo em uma sociedade pluralista) a discernir valores essenciais que norteiam os relacionamentos em todas as suas dimensões.

É nesse contexto que os batistas – integrantes de uma denominação cristã que, ao longo de toda a sua história, defende a liberdade religiosa, de consciência e de expressão – se manifestam para alertar sobre os perigos que a sociedade brasileira corre diante das novas conjunturas sociais aprovadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e que estão sendo propaladas por leis que tramitam no Congresso Nacional e por ações promovidas pelo Executivo.

Assim, alertamos para o perigo:

• De construir uma sociedade em que a legalidade pode ser estabelecida pelos interesses políticos e inclinações pessoais, como ocorreu no caso da releitura contraditória feita pelo STF do artigo 226 da Constituição Federal. O artigo diz:

“Art 226 - A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado.
(...)
§3o – Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento.
§4o – Entende-se, também, como entidade familiar a comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes.
§5o – Os direitos e deveres referentes à sociedade conjugal são exercidos igualmente pelo homem e pela mulher.

Quando uma casa que tem como principal missão defender a Constituição a rasga, corremos o perigo de viver um Estado jurídico de exceção, ao qual a nação brasileira não deseja retroceder.

• De destruir o conceito de família (que não é só cristão, mas universal e multicultural) para reconstruí-lo sob a égide somente da afetividade e não em toda a dimensão de suas funcionalidades como base da sociedade.
• De criar uma sociedade em que os valores essenciais são relativizados, pois onde tudo é relativo nada sobra para apoiar os alicerces do nosso futuro.
• De viver em uma sociedade que abandona os valores divinos revelados nas Escrituras Sagradas, pois a História, desde os tempos bíblicos, têm demonstrado que sociedades que abandonaram os valores mais elementares implodiram por perderem os seus pilares sustentadores – ainda que tenham sido, em algum momento, grandes potências no contexto universal.

Tais atitudes nada mais são do que a iniqüidade institucionalizada. Assim, conclamamos a sociedade brasileira a continuar mostrando que existem opiniões divergentes. Sem discriminação e com respeito a cada indivíduo, tais manifestações visam a defesa de valores pessoais e sociais, com integridade. Somente quando todos os segmentos da sociedade se expressam é que as forças políticas de nossa nação se sensibilizam para obviedade dos valores essenciais, como no caso recente da decisão de nossa presidente, Dilma Rousseff, ao impedir a distribuição do chamado “kit contra a homofobia ” nas escolas públicas.

Curitiba, 27 de maio de 2011

Pr. Paschoal Piragine Jr.
Presidente da Convenção Batista Brasileira.

Autorizamos a reprodução deste conteúdo única e exclusivamente se a fonte for citada como Convenção Batista Brasileira e com a inclusão do link para www.batistas.com (na internet).

Última atualização em Ter, 31 de Maio de 2011 09:33

Quero Ser Promotor

E-mail Imprimir PDF
promotores-canal

promotores-canal



O QUE É SER UM PROMOTOR?

Missões Nacionais vive um novo tempo. Tempo em que se organiza, planeja, estrutura e  executa o ideal de se conquistar a Pátria para Cristo. Avançar nesta missão requer estratégia bem delineada e uma equipe motivada que realize a gigantesca obra.  Por isso, Missões Nacionais precisa contar com o apoio de crentes fiéis, que acreditam e atendam ao IDE que Jesus Cristo nos deixou. Uma das maneiras de realizarmos essa obra é sendo um Promotor de Missões.

Equipes de promotores que pensam, acreditam, motivam e inspiram cada membro de suas igrejas a se tornarem peças fundamentais nesta conquista são o que pretendemos formar. O Promotor de Missões precisa entender sua responsabilidade nesta engrenagem.  Precisa entender que seu serviço pode e deve ser desenvolvido. Precisa ajudar Missões Nacionais a, juntos, unidos neste ideal, e atendendo ao IDE de Jesus Cristo, divulgar Campanhas Anuais, os Congressos Desperta Pelo Brasil, o PAM Brasil, os materiais de evangelização produzidos, as clínicas de evangelização que serão realizadas, os Congressos de Surdos, as atividades de alcance social, ou seja, ajudar a igreja local a se envolver nessa causa.


COMO POSSO SER UM PROMOTOR?

Para tornar-se um promotor de Missões Nacionais, faça o download da ficha de cadastro, preencha e envie para Rua Gonzaga Bastos, 300 - Vila Isabel - Rio de Janeiro (RJ) - CEP 20541-000. Lembre-se de colher a assinatura do pastor de sua igreja, que o recomendará para esta tarefa.





EVENTOS PARA PROMOTORES

Missões Nacionais realizará uma série de Acampamentos e Encontros de Promotores de Missões em vários Estados do Brasil. Nesses encontros eles são capacitados e recebem ferramentas para que sejam ainda mais eficientes no exercício de suas funções na igreja, trocam experiências com outros promotores, convivem com missionários e coordenadores de Missões Nacionais e conhecem todo o material da Campanha Missionária. Além dos acampamentos e encontros, em todos os congressos Desperta pelo Brasil há uma oficina dedicada aos promotores.

PERNAMBUCO
Data: 28 de Agosto
Local: Seminário de Educação Cristã de Recife (SEC)
Contato: (81) 3222-6118 / (81) 9729-7343 / (77) 9964-2536  
E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

PIM – Programa de Intercessão Missionária

E-mail Imprimir PDF
pim

pim


“Quando nós agimos, colhemos os frutos do nosso trabalho;
quando oramos, colhemos os frutos do trabalho de Deus!”

Através da oração, você vai aos campos e ajuda a ganhar o mundo para Cristo

Já pensou na evangelização sem que missionários sejam enviados? E sem os recursos para o sustento da obra? Agora imagine o trabalho de missões sem o suporte da oração. Impossível! Tão importante quanto o envio de obreiros e a sua manutenção nos campos é a intercessão. Através da oração cada crente se torna um missionário. Nem todos podem ir, mas todos podem – e devem – clamar pelos povos, orar pelos campos e interceder por aqueles que estão lá.

Convicta da importância da oração como força que impulsiona a obra de evangelização mundial, a Junta de Missões Mundiais criou a Programa de Intercessão Missionária (PIM). Nos últimos anos, a abertura de novos campos, o envio de obreiros e a consolidação da obra missionária no mundo estão acontecendo ao mesmo tempo em que cresce o número de intercessores.


Além de orar por missões individualmente ou em família, quem participa do PIM pode levar os pedidos de intercessão para classes de EBD, grupos de estudos bíblicos, organizações da igreja, círculos de oração, grupos de vida, células... Os intercessores de missões estão juntos com os missionários através da oração tomando parte em suas lutas e vitórias, ajudando-os a conquistar os povos para Cristo.


Os irmãos que fazem parte do Programa de Intercessão Missionária têm colocado o mundo aos pés do Senhor. Através da oração muitas barreiras têm sido derrubadas na Ásia, novos campos estão se abrindo na África, igrejas continuam sendo organizadas nas Américas e vários projetos sociais e de evangelização estão acontecendo no Oriente Médio.


Faça parte do Programa de Intercessão Missionária e abrace o mundo com as mãos – as mãos que se unem em oração em favor dos povos, dos missionários e da obra de evangelização que está sendo realizada em todo o mundo.
Fonte: http://www.jmm.org.br

Curiosidades sobre os povos NÃO-ALCANÇADOS

E-mail Imprimir PDF
povos no alcancados

povos no alcancados

O que é a Janela 10/40?

É uma faixa de terra que vai do oeste da África até a Ásia. Subindo, a partir da Linha do Equador, fica entre os graus 10 e 40, formando um retângulo. Naquela região vive o maior número de povos não-evangelizados da Terra, cerca de 3,5 bilhões de pessoas em 62 países. É nessa faixa que se concentram os adeptos das três maiores religiões não-cristãs do mundo: islamismo, hinduísmo e budismo.

Somente 8% dos missionários trabalham entre eles. Na maioria dos países há falta de receptividade aos cristãos. A liberdade religiosa, quando existe, é frágil. Há necessidade de missionários, líderes, pastores e escolas de treinamento para os poucos cristãos existentes. Há poucos obreiros atuando nos países devido à política de restrições quanto a entrada de missionários. A necessidade de tradução da Bíblia é grande. Os crentes sofrem perseguição e correm riscos. A saúde e proteção dos missionários é uma necessidade constante na Janela 10/40.

Outra Janela, a Túrquica

A Janela Túrquica é uma faixa de terra que vai desde a Sérvia, na Europa, passando pela Turquia e chegando ao Uzbequistão e Turcomenistão, e ao extremo oeste da China, na Ásia. São cerca de 25 países inseridos na Janela Túrquica, que recebe este nome devido ao grande número de povos com raízes étnicas turco-otomanas e que possuem o turco e suas derivações como idiomas falados (tais como: azeris, gagaúzes, tártaros, turcomanos, cazaques e quirguizes).

È um dos grandes desafios missionários da atualidade. A região engloba inúmeros países de confissão islâmica ou cristã-ortodoxa, o que dificulta a entrada e o trabalho de missionários. Entretanto, muitos países estão recebendo obreiros comprometidos e que têm dado testemunho do amor de Jesus. Muitos turcos, a partir desses contatos, têm se rendido ao Senhorio de Jesus Cristo.

No coração da Janela 10/40

A Península Arábica, situada no coração da Janela 10/40, é a região do planeta mais resistente ao Evangelho de Jesus Cristo. É formada pelos seguintes países: Arábia Saudita, Catar, Kuwait, Barein, Emirados Árabes Unidos, Omã e Iêmen, todos islâmicos. Nesta faixa é possível notar grandes contrastes, como inúmeras reservas riquíssimas de petróleo situadas sobre grandes desertos inabitáveis; construções modernas em contraste com arquitetura antiga; poucos extremamente ricos e muitos extremamente pobres; estilo de vida consumista nas grandes e modernas capitais e tribos nômades que sobrevivem graças a costumes milenares. A península é considerada o “coração” do islamismo. Afinal, as duas cidades consideradas sagradas para os muçulmanos, Meca e Medina, estão nesta região.

A Península Arábica foi consideradapor muitos como sendo impenetrávelpara o Evangelho, mas, atualmente,Deus está se revelando a pessoas através de sonhos ou por meio de trabalhosmissionários estratégicos, como oesporte, que tem aberto oportunidadespara a pregação do Evangelho.

Chifre da África, uma região negligenciada

A região conhecida como Chifre da África, assim chamada por ter semelhança com um chifre de rinoceronte, inclui os territórios da Etiópia, Sudão, Somália, Djibuti e Eritreia, na parte nordeste do continente. A história da região, denominada na Bíblia de Cuxe, foi caracterizada por um domínio etíope e por lutas entre muçulmanos e líderes cristãos pelo controle das terras férteis e áreas vitais.

O Chifre da África tem sido negligenciado pelos cristãos há décadas. O evangelismo na região, assim como no restante da Janela 10/40, avança lentamente e com muitas dificuldades. Mas a situação tende a mudar. As igrejas e agências missionárias estão focalizando suas orações e recursos para esta árida região. Mesmo diante das dificuldades sociais (pobreza e guerras civis) e religiosas (fundamentalismo islâmico), muitos missionários prepararam a terra para que outros pudessem ir à região e conquistar esses povos para Jesus. E este tempo já em uma realidade!

O porquê do Tema da Campanha 2011

E-mail Imprimir PDF
missoes2011

missoes2011

Nos últimos anos os temas das Campanhas de Missões Mundiais enfatizaram o papel da igreja e dos crentes na obra missionária. Os temas “Igreja de Cristo, Luz para as Nações” (2007), “Chamado de Todos, Missão de Cada Um” (2008), “As Nações Clamam. Então Usa-me, Senhor” (2009) e “Por Cristo Vou Até os Confins da Terra” (2010) tiveram esse objetivo.

Por outro lado, o foco das campanhas mostrava, essencialmente, a questão geográfica dos desafios – Haiti, Chile, Índia, China...

Porém, em 2011 e nos próximos anos, a Junta de Missões Mundiais vai redirecionar a abordagem e voltar a destacar a questão das etnias, com foco nos povos nãoalcançados. Um povo não-alcançado é um grupo para quem o Evangelho de Jesus ainda não chegou ou que a igreja existente em seu meio não tem condições de evangelizá-lo. Há ainda cerca de 2.200 grupos étnicos nessas condições.

Justificativas do tema e objetivos da Campanha

A Campanha deste ano tratará mais especificamente da realidade dos povos islâmicos. Com seu espantoso crescimento, hoje os muçulmanos já são quase 1 bilhão e 600 milhões em todo o mundo; na América Latina e até mesmo no Brasil o número aumenta a cada ano. Precisamos entender quem são os muçulmanos e conhecer a sua religião. Devemos amá-los e empreender todos os esforços para que eles também sejam alcançados pela graça do Pai.

A Junta de Missões Mundiais deseja contribuir para que as igrejas batistas do Brasil entendam o que é o islamismo e tenham uma visão real e sem preconceitos de quem são os muçulmanos. Atualmente, estes têm sido visto por muitos países e sido tratados pela mídia com preconceito e até rejeição.

Queremos, contudo, que os crentes brasileiros percebam as necessidades espirituais dos seguidores do Islã e os vejam como alvos do amor de Deus, por quem Jesus também morreu e que também precisam ser alcançados pela graça do Pai.

 

Fonte: JMM

JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL